Fone: (11) 3242-8111 Fax: (11) 3112-0554 | Endereço: Rua Libero Badaró, 158 - 6º andar - São Paulo - SP

VALOR DE MULTAS APLICADAS PELA JUSTIÇA DO TRABALHO AJUDA NA AMPLIAÇÃO DE UTI NA SC DE SANTOS
03/08/2018

Com pouco mais de um mês de atraso, a Santa Casa de Santos afirma ter concluído as obras de readequação da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) Pediátrica, transferida do térreo para o quarto andar. A futura ala de atendimento infantil será aberta na próxima sexta-feira (10). Passará de dez para 12 leitos, dois deles destinados a reserva técnica.

“O número (de vagas) está adequado às necessidades. É muito difícil haver ocasiões em que todas estão ocupadas”, diz o diretor Administrativo e Financeiro, Augusto Capodicasa. Considera, porém, que os dois lugares adicionais possam ser destinados a bebês com cardiopatia congênita.

Apenas neste ano, a região teve quatro casos de recém-nascidos com má-formação de coração e artérias. Por falta de leitos, três morreram. “Para isso (abrir unidade específica), o Estado precisa (nos) contratar, para que possamos ser referência estadual para esse tipo de cirurgia”, afirma.

Conforme explica, a direção do hospital propôs ao Governo Paulista oferecer o serviço pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A Santa Casa assumiria a responsabilidade por operações cardíacas, ou cuidaria de pré e pós-operatórios.

Origem da verba

As novas instalações foram custeadas com recursos próprios e multas indenizatórias aplicadas pela Justiça do Trabalho de Cubatão contra a antiga estatal Cosipa (hoje, Usiminas), em decorrência de sentenças do final da década de 1980. A empresa foi punida por casos de leucopenia (doença que baixa a quantidade de células de defesa do sangue) em funcionários da siderúrgica.

O montante, de R$ 4 milhões na época, foi atualizado para R$ 20 milhões – 87% para o hospital e 13% para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). A verba custeou a construção do quarto andar da Santa Casa, para onde será transferida a UTI infantil.

Capodicasa menciona que, desde a inauguração da antiga unidade para crianças, em 1995, o setor jamais havia sido reformado. Tinha problemas estruturais e sofria, até, com enchentes.

O dirigente do hospital declara que, mesmo com esses entraves, a UTI Pediátrica nunca teve o atendimento interrompido. O novo espaço conta, ainda, com serviço de monitorização de atividade cerebral em prematuros e crianças, um recurso inédito na região.



 


JORNAL A TRIBUNA DE SANTOS